My Bloody Valentine – Isn’t Anything (1988)

Um disco sexy, chapado, transgressor e barulhento. Mas você não vai ler nada sobre isso nas próximas linhas…

“Era 1991…

Comprei Isn’t anything voltando pra casa após ter decidido abandonar o Senai, sabendo a tempestade que seria quando fosse contar a decisão aos meus pais.

Enfim, ao lado do ponto de ônibus, havia uma lojinha de revelação fotográfica (sim, jovens, isso existe), e nessa lojinha tinha umas caixas cheias de discos usados, e como eu queria adiar a volta pra realidade, fui lá dar uma fuçada.

Entre trilhas de novela, lambada, Amados, Wandos e toda uma sorte do que havia de pior, vi uma capa estranha, que eu não conseguia definir se era borrada, iluminada demais ou as duas coisas, com o nome (que eu supunha ser) da banda escrito embaixo, com letras minúsculas.

Achei do caralho e fui pedir pro cara da loja pra ouvir, mas ele me disse que não podia, porque era usado e blá, blá, blá. Após muita insistência, pôs pra tocar uns três segundos da primeira faixa de cada lado, e eu, claro, não tive a menor ideia do que se tratava.

Perguntei se ele sabia, e o cara teve a coragem de me dizer que era ‘uma coisa meio metal, meio gótica’ (eu estava com uma camiseta do Sisters of Mercy, daí a associação pra vendê-lo a mim). De qualquer jeito, comprei.

E até hoje, tendo ouvido Isn’t anything por 1.838.389.330.302.022.039 vezes, continuo sem entendê-lo.

Outra coisa sobre o disco: ele sobreviveu a um dilúvio de verão, encostado no canto de uma dessas muretas que ficam ao lado dos portões das casas.

Eu não tinha aonde escondê-lo, só ali, e mesmo com a capa tendo derretido quase completamente, o vinil ficou intacto. Isso foi no dia em que aconteceria o show do Guns’n’Roses em São Paulo, que foi adiado. Vários amigos metidos a roqueiros iam e me culparam por ter praguejado tanto contra Axl Rose e cia.

Azar deles, sorte a minha.”

Texto originalmente publicado na coluna Os Discos Da Vida, do Floga-se.

Anúncios

7 comentários sobre “My Bloody Valentine – Isn’t Anything (1988)

  1. Pingback: My Bloody Valentine – m b v (2013) | PEQUENOS CLÁSSICOS PERDIDOS

  2. Pingback: The Sorry Shop – Mnemonic Syncretism (2013) | PEQUENOS CLÁSSICOS PERDIDOS

  3. Pingback: Playlists PCP: Class of ’91 (Parte 01) | PEQUENOS CLÁSSICOS PERDIDOS

  4. Pingback: Canções Da Vida: Soon (My Bloody Valentine / 1990) | PEQUENOS CLÁSSICOS PERDIDOS

  5. Pingback: 1987, o ano em que o My Bloody Valentine se reinventou | PEQUENOS CLÁSSICOS PERDIDOS

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s