Karina Buhr – Selvática (2015)

“As mulheres tem servido por todos esses séculos como espelhos que possuem o poder mágico e delicioso de refletir a figura do homem com o dobro do seu tamanho natural.” (Virginia Woolf – A Room of One’s Own) Por Vinil (Trovas de Vinil) Se realizarmos uma pesquisa a respeito de como a música brasileira tem retratado…

Ruspo – Esses Patifes (2013)

É difícil acompanhar o ritmo dos lançamentos em tempos de internet rápida, de estúdios caseiros e consequentemente da produção em massa de música. A cada hora pipoca na rede uma porção generosa de discos, EPs, singles, remixes e o escambau; muita coisa passa em branco, algumas infelizmente. Se não tivesse recebido uma mensagem a respeito…

Tratak – Agora Eu Sou O Silêncio (2012)

Tratak é o alias do catarinense Matheus Barsotti, ex-Margot Alfajor, Labirinto e Stella-Viva, agora acompanhado apenas por seu violão e uma enorme dose de melancolia. Desde 2010 nessa estrada solitária, Matheus lançou em outubro seu primeiro e belo disco, Agora eu sou o silêncio, bola da vez aqui no PCP. As ideias para o álbum…

Tulipa Ruiz – Tudo Tanto (2012)

A síndrome do segundo disco é um mal que assola artistas mundo afora desde que a música se tornou artigo de consumo em forma de álbuns. De roqueiros à pop stars, todos que fizeram uma grande estreia sentem a pressão para repetir o êxito do debute, e muitas vezes essa pressão acaba pondo tudo abaixo.…

Tulipa Ruiz – Efêmera (2010)

  Tulipa Ruiz gosta de deixar claro que não é filha de Alice Ruiz, mas sim, o sangue artístico corre em suas veias: seu pai é Luiz Chagas, que tocou com ninguém menos que Itamar Assumpção, em sua banda Isca de Polícia. Nascida em Santos, Tulipa mudou-se ainda criança para Minas e depois, já adulta,…

Curumin – Arrocha (2012)

O paulistano Luciano Nakata, mais conhecido como Curumin, é um nome constante na renovada cena da música brasileira. De uns 10 anos pra cá – mais ou menos – o cara, baterista de origem, toca com meio mundo, e com dois discos na bagagem (Achados e perdidos, de 2005; e Japan pop show, de 2008)…

CéU – Caravana Sereia Bloom (2012)

É fantástico ver o desabrochar de uma flor. Como nos vídeos da Discovery, assistir em câmera lenta ao caule de um mato qualquer se transformar em algo belo e emocionante. É mais ou menos assim que me sinto em relação à paulistana CéU. Não gosto de seus dois primeiros álbuns (Céu, de 2005; e Vagarosa,…

Lenine – Chão (2011)

O pernambucano Lenine está na estrada há muito tempo. Desde o começo dos anos 80, quando se mudou de Recife para o Rio de Janeiro e lançou Baque solto (83), já se vão muitos anos. Da metade dos anos 90 em diante, após compor muito para outros artistas, passou a ter reconhecimento e começou a…

China – Moto Contínuo (2011)

Um moto contínuo é, para a Física Moderna, uma máquina de movimento perpétuo. Para China, também. Desde de que o Sheik Tosado (lembra disso?) acabou em 2001, Flávio Augusto aventura-se quase sozinho pelo mundo da música, produzindo canções suas e ajudando novas bandas a aparecerem pros outros. Em 2004 ele lançou o bem produzido (por…

Dossiê P.C.P – MPB 2.0

Uma revolução vem acontecendo na música brasileira, e sampleando as palavras de Raul Seixas, “não dá no rádio nem está nas bancas de jornais…”. Desde que a chamada mpb viveu seus dias de glória, lá nos anos 60/70, nunca se viu e ouviu tantos bons e diferentes artistas surgidos numa mesma safra. Mas mpb talvez…

Tiê – A Coruja E O Coração (2011)

Ela estudou relações públicas, já pertenceu ao cast da Ford Models, estreou uma propaganda (premiada em Cannes) dirigida por Fernando Meireles, é neta da atriz Vida Alves (que protagonizou o primeiro beijo da TV brasileira), foi dona de um café – onde conheceu Toquinho, que a levou ao estúdio e em turnê, daí… Esse é…

Domenico Lancelotti – Cine Privê (2011)

Primeiro veio o Mulheres Q Dizem Sim, e lá se vão 20 anos. Depois, já nos anos 2000, Orquestra Imperial, participações em álbuns de diversos artistas (Caê e Adriana Calcanhotto, pra citar dois), e entre uma coisa e outra – ou antes de ambas, na verdade – Domenico Lancelotti, ou simplesmente Domenico, gravou em parceria…

Bárbara Eugênia – Journal de BAD (2010)

A niteroiense radicada em São Paulo Bárbara Eugênia é representante da música brasileira moderna – contemporânea, se preferirem – e uma de suas melhores vozes e mais criativas mentes. Conhecida na cena desde que gravou duas canções para a trilha sonora do filme O cheiro do ralo, a moça também emprestou a voz ao grupo…