The Cure – Disintegration (1989)

De todas as bandas surgidas na ressaca do tsunami punk que varreu a Inglaterra (e o mundo) na metade dos anos 70, o The Cure é a de maior longevidade e, talvez por isso, aquela que consegue através de suas canções narrar a história da vida de muitas pessoas – inclusive a minha.

Robert Smith e cia. estão na ativa desde o ano mágico de 1976, e desde 79 vêm lançando álbuns; alguns extraordinários, outros nem tanto, e entre os indispensáveis pelo menos um é essencial: Disintegration.

A mais bela e triste canção de amor de todos os tempos

As 12 faixas do disco formam um conjunto perfeito, numa viagem melancólica por paisagens lúgubres. Se Pornography (de 82) é o primeiro álbum da ‘trilogia da depressão’ (Blood Flowers – de 2000 – é o último), é em Disintegration (o ‘interlúdio’) que o Cure traduz como nunca a tristeza em forma de música.

Nele não há resquícios da alegria presente em The head on the door (85) ou Kiss me, kiss me, kiss me (87). Musicalmente é um trabalho denso, carregado; e liricamente…bem, é gelado, de cortar o coração. Ou os pulsos.

“Love song”, o momento mais pop e sutil do álbum

Disintegration traz em si também muito da influência do college/indie rock da época. Efeitos hipnóticos, guitarras atmosféricas à dream pop e até beats mais pulsantes – como em “Fascination street” – fazem parte de seu molho, mas não aliviam seu clima sombrio.

Entre canções de amor para corações despedaçados como “Pictures of you” (‘Tenho vivido tanto tempo com suas fotos, que quase acredito que essas fotos são tudo que eu posso sentir…’), pesadelos surrealistas (‘O Homem-Aranha vai fazer de mim o seu jantar desta noite’, canta Smith em “Lullaby” – ou canção de ninar, em português) e o medo da morte (“Disintegration”), o álbum condensa em pouco mais de uma hora tudo que compõe o universo gótico, com suas dores e poesias.

O estrago causado pelo impacto deste disco na música não é nada se comparado ao que ele vem causando na vida de adolescentes deprimidos desde 1989.

Ouvi o álbum pela primeira vez quando tinha uns 14 anos, e nunca me recuperei. Se a história da minha vida pode ser contada através de canções do The Cure, os capítulos mais tristes com certeza são narrados por Disintegration.

Essencial!

[

Anúncios

10 comentários sobre “The Cure – Disintegration (1989)

  1. Pingback: Bela Infanta – Apenas Cinco (2013) | PEQUENOS CLÁSSICOS PERDIDOS

  2. Pingback: Vídeo – The Cure Plays Disintegration Live (2002) | PEQUENOS CLÁSSICOS PERDIDOS

  3. Pingback: The Smiths – The Smiths (1984) | PEQUENOS CLÁSSICOS PERDIDOS

  4. Pingback: Bauhaus – Mask (1980) | PEQUENOS CLÁSSICOS PERDIDOS

  5. Pingback: The Cure – Entreat (1991) | PEQUENOS CLÁSSICOS PERDIDOS

  6. Que músicas, não? Quanta tristeza e beleza em cada letra, em cada melodia. Seu post foi ótimo. Bom reviver. Também ouvi quando tinha uns treze anos e sempre me parecem novas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s