The Stone Roses – The Stone Roses (1989)

Tudo que havia para ser dito sobre o debute do Stone Roses já foi dito. O álbum homônimo, lançado pela Jive Records em 1989, já foi dissecado por especialistas, entusiastas, fãs, críticos, toscos, músicos, DJs, etc, etc, etc.

Então por que cargas d’água o famigerado disco das laranjas é a bola da vez aqui no PCP? Poderia dizer que é pelo fato de o considerar a melhor estreia em disco de todos os tempos; poderia dizer que é pela química entre os 4 integrantes da banda e pelo poder de fogo de cada um; poderia dizer que é pelo fato dos Roses serem os ‘cabeças’ do Madchester; poderia dizer que é pela mescla discreta entre o pop psicodélico dos anos 60 e o emergente acid house; poderia dizer algo sobre a influência deste álbum nas gerações futuras; enfim, poderia dizer muitas coisas. Mas tudo isso já foi dito.

 

O grande lance com The Stone Roses, o disco, está nos sentimentos. Como relatei ao Floga-se, conheci a banda ao mesmo tempo em que conheci todo o Madchester, mas Ian Brown, Jonh Squire, Mani e Reni me pegaram pelo coração com este álbum, e aí não há o que fazer. E lá se vão uns 20 anos…

Entre cada faixa, de “I wanna be adored” a “Fools gold”, um mar de sensações inexplicáveis vai fluindo. É preciso ouvir The Stone Roses com todo o corpo, ter os sentidos aguçados por ele, se deixar levar, como numa paixão irresistível. Enxergar a beleza, captar as vibrações, sorrir e dançar.

 

Claro, cada pessoa sente a música de uma forma. É possível que ouvir este disco não lhe cause absolutamente nada, e não é essa a intenção.

O importante é cada um achar o ponto mais fundo em que a música pode lhe tocar, e aí as coisas nunca mais serão como antes. Acredite, é uma sensação fantástica! E Essencial!

 

Anúncios

7 comentários sobre “The Stone Roses – The Stone Roses (1989)

  1. Stone Roses foi um divisor de águas pra mim. Foi a partir de “Made Of Stone” – que tocava insistentemente numa FM local – que eu comecei a prestar atenção no rock inglês. Antes disso, eu vivia fechado no meu mundo technopop, que havia conhecido lá por 88/89: Depeche Mode, OMD, New Order e Erasure eram as quatro bandas que ocupavam 80% dos meus K7s. Mas aquelas guitarras e aquele refrão de “Made Of Stone” ficavam o dia inteiro na minha cabeça. Aí vieram Happy Mondays, Primal Scream, Soup Dragons, The Farm, Inspiral Carpets, The Beloved, Charlatans, Jesus Jones, Blur, Candy Flip… todo mundo adicionando baixo grooveado e bumbo digital no seu rock sessentista. E aí estava o indie dance, o período do rock britânico que mais me encanta – justamente por unir dance music e rock’n’roll em discos memoráveis. Meu exemplar de “The Stone Roses” em vinil eu comprei muitos anos depois, mas é um dos troféus que guardo com orgulho daquela época.

    Abração, Fábio!

  2. Pingback: PCP Entrevista – Wladimyr Cruz (Zona Punk) « PEQUENOS CLÁSSICOS PERDIDOS

  3. Pingback: The Flaming Lips – Time Has Come To Shoot You Down…What A Sound (2013) | PEQUENOS CLÁSSICOS PERDIDOS

  4. Pingback: The Stone Roses – Turns Into Stone (1992) | PEQUENOS CLÁSSICOS PERDIDOS

  5. Pingback: The Stone Roses – Garage Flower (1996) | PEQUENOS CLÁSSICOS PERDIDOS

  6. Pingback: The Stone Roses – Tokyo ’89/Stand Still (1989) | PEQUENOS CLÁSSICOS PERDIDOS

  7. Pingback: Ouça o Stone Roses de volta ao groove com “Beaultiful Thing” | PEQUENOS CLÁSSICOS PERDIDOS

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s