Gal Costa – Gal Costa (1969)

O tsunami psicodélico que varreu o mundo na segunda metade da década de sessenta passou pelo Brasil e não deixou nada no lugar. O país, que ainda aplaudia a bossa nova e a jovem guarda, viu a versão nacional do flower power – a tropicália – nascer sob a violência da ditadura militar. E talvez não tenha entendido nada, como disse Caetano Veloso.

Dentro desse universo em expansão, a jovem baiana Gal Costa lança em 1969 dois álbuns homônimos: um deles mais voltado à tradição da bossa, mas já ampliando os horizontes da cantora em direção à soul music e ao rock; o outro, uma verdadeira explosão lisérgica, sem precedentes, um momento único na música brasileira que ainda hoje – passados 40 anos – distorce cérebros mundo afora.

Lançado pela Philips, Gal Costa conta com os arranjos e a direção musical do maestro Rogério Duprat, o que por si só já diz muito. Sua mistura de talento (dom?) e insanidade dão o ‘ar’ ao álbum, sua verve mais psicodélica, com ecos, delays, fantasmas e discos voadores. As linhas de baixo e guitarras barulhentas saem das mãos de Lanny Gordin, músico genial que foi fundo nas viagens com LSD e por isso sumiu do mapa após fritar o cérebro, em 1974.

Relaxa e curte a brisa, meu rei

Musicalmente, as nove faixas do disco flutuam entre o rock e a soul music, com Gal explorando seus recursos vocais da forma mais experimental possível, indo de gemidos a gritos histéricos, miados e chiados, mas também cantando – e muito – em canções clássicas como “Cinema Olympia” e “Meu nome é Gal”, essa última escrita por Roberto e Erasmo especialmente para ela.

Com composições de Caetano (“The empty boat”), Gil (“A cultura e a civilização”), Jorge Ben (“Tuareg”) e Jards Macalé (“Pulsars e quasars”), Gal Costa é o auge do movimento psicodélico; o mergulho profundo de Gal nesse oceano de águas coloridas, a perda total da inocência, a liberdade para experimentar, ousar e bater de frente com a sociedade careta e os milicos do Estado.

Este é o grito definitivo da tropicália, a supernova que brilhou no céu brasileiro em 1969, rasgando os limites da música tupiniquim e mostrando a visceralidade de Gal Costa, sem medo de romper com crenças ou tradições.

Obrigatório!

Anúncios

9 comentários sobre “Gal Costa – Gal Costa (1969)

  1. Pingback: CéU – Caravana Sereia Bloom (2012) « Pequenos Clássicos Perdidos

  2. Pingback: Gal Costa – Índia (1973) | PEQUENOS CLÁSSICOS PERDIDOS

  3. Pingback: Gal Costa – Estratosférica (2015) | PEQUENOS CLÁSSICOS PERDIDOS

  4. Pingback: Os Mutantes – Mutantes (1969) | PEQUENOS CLÁSSICOS PERDIDOS

  5. Pingback: Canções Da Vida: Come Together (Primal Scream / 1990) | PEQUENOS CLÁSSICOS PERDIDOS

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s