Supercordas – Terceira Terra (2015)

Em 2012 o Supercordas lançava A mágica deriva dos elefantes e muita gente derretia junto aos cariocas, tecendo elogios ao álbum e colocando-o entre os melhores daquele ano. Por um daqueles misteriosos motivos que (sempre) me fazem perder o bonde musical, só fui ouvir o disco recentemente, daí decidi fazer uma busca pra ver o que os caras estavam fazendo atualmente e BOOM! Me deparo com Terceira terra.

Definitivamente ou eu não acompanho o ritmo da internet ou as tais redes sociais não me mostram o que preciso ouvir. Este novo trabalho do quinteto da paradisíaca e histórica cidade de Paraty saiu em outubro pela Balaclava Records e, se não fosse por minha curiosidade, talvez passasse em branco por aqui. Ainda bem que sou curioso.

O Supercordas continua sua viagem pelo universo psicodélico em Terceira terra, injetando em cada acorde uma boa dose de psilocibina, seja a sintetizada ou a do fungo que se encontra em belas manhãs orvalhadas pelos pastos de Zebú.

Mas nessa estrada que passa tanto pela modernidade quanto por heranças rurais o grupo cresceu, evoluiu, ampliou o espectro de seu caleidoscópio, abrindo espaço em meio ao surrealismo lisérgico para discussões sérias e indispensáveis sobre os rumos tortos de nosso Brasil varonil, ora de uma maneira poética, ora de uma forma direta.

Um álbum irrepreensível e definitivamente um dos melhores do ano.

Altamente recomendado!

Anúncios

Um comentário sobre “Supercordas – Terceira Terra (2015)

  1. Pingback: Especial – Os Melhores Álbuns Nacionais De 2015 | PEQUENOS CLÁSSICOS PERDIDOS

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s