Especial – Os Melhores Álbuns Internacionais De 2014

E é chegada a hora de vocês, caros leitores, conhecerem os dez discos gringos preferidos pelo Pequenos Clássicos Perdidos no recém-falecido ano de 2014.

Como já foi dito no especial que listou os ‘melhores’ álbuns nacionais, no ano passado – como em todos os últimos anos e provavelmente como será nos vindouros – muita música rolou por aqui, mas uma quantidade ainda maior passou em branco. Na equação tempo X lançamentos o resultado é sempre desigual.

O produto final é bem enxuto, com apenas uma dezena de discos, bem diferente das enormes listas com 50, 100 ou 200 álbuns publicadas pela rede. Se por um lado fica a sensação de ‘deixamos alguém de fora’, o que prevalece é a sensação de servir a quem lê o PCP apenas o crème de la crème de tudo compartilhamos no blogue no decorrer dos últimos 365 dias.

Então é isso, amigos. Na sequência você encontra os 10 biscoitos internacionais prediletos da casa no ano de 2014, sem ordem de preferência, porque acreditamos na justiça.

***

Medicine – Home Everywhere

Home everywhere é ao mesmo tempo visceral e hipnótico, alternando – por vezes na mesma faixa – momentos calmos e oníricos com outros tempestuosos e absurdamente distorcidos. É shoegaze para os gazers, psych para os freaks, corrosivo para os barulhentos e assim por diante. Digo novamente: impressionante!… (Leia mais)

***

Sharon Van Etten – Are We There

Are we there é um disco apaixonado e intenso da primeira à última faixa, e em cada uma delas é possível sentir a entrega de Sharon, tanto nas composições quanto na execução das canções. A melancolia ainda parece ser sua força motriz; a dor de cotovelo permanece, mesmo com o passar dos anos. Ainda bem… (Leia mais)

***

The Raveonettes – Pe’ahi

Dois anos após pegar leve com Observator, a bela e (especialmente) a fera injetaram novamente o barulho de sua ‘juventude‘ em seu trabalho, e posso garantir: este não falta nas 10 faixas do álbum. Além dessa pesada carga de barulho, há espalhados no disco uma série de beats que, por vezes, lembram o que o Jesus and Mary Chain fazia lá em 92… (Leia mais)

***

Warpaint – Warpaint

Aqui elas mantêm o clima psicodélico e melancólico de seu debute, bem como a delicadeza e o ar enfumaçado; mas deixam (um pouco) de lado as referências pós-punk para ousarem mais ritmicamente, adicionando um certo groove às suas viagens oníricas, tornando faixas como “Hi”, “Feeling right” e “Disco/Very” um híbrido chapado de Dream pop e trip hop… (Leia mais)

***

The Bilinda Butchers – Heaven

As 13 faixas de Heaven, a despeito dos beats eletrônicos (e orgânicos) que as pontuam aqui e ali, são tranquilas como um mar sem ondas, onde se pode sentir a calma e silenciosa pulsação do oceano e olhar a imensidão do céu ao mesmo tempo. Dream pop belo como há muito eu não ouvia… (Leia mais)

***

Have A Nice Life – The Unnatural World

Se num universo paralelo Depeche Mode, Joy Division, Swans e My Bloody Valentine se juntassem para fazer a trilha sonora de algum filme realmente apocalíptico, o resultado seria próximo ao que a banda concentra nas oito faixas deste álbum. Não é pouca coisa, garanto… (Leia mais)

***

Cheatahs – Cheatahs

Cheatahs não é um trabalho inovador, mas catalisa toda uma época de maneira honesta, sem soar falsamente retrô ou nostálgico, e isso – especialmente em tempos de muita pose e pouca atitude – já basta… (Leia mais)

***

Death From Above 1979 – The Physical World

The physical world começa acelerado com “Cheap talk”, numa pegada à Gang of Four, e não reduz: riffs pesados, bateria alta, e mesmo a calmaria de “White is red” não suaviza o punch de seus quase 36 minutos. Um retorno triunfante desta dupla, pondo o rock nos eixos em tempos de pau molismo… (Leia mais)

***

Beck – Morning Phase

Influências, localidades e comparações à parte, Morning phase é um disco lento, melancólico, triste como uma dor de cotovelo e com (belíssimas) canções atmosféricas cunhadas entre o folk (mais) e o country (menos). Cai como uma luva para acompanhar corações partidos em momentos de solidão movidos à uma bebida bem forte… (Leia mais)

***

Run The Jewels – Run The Jewels 2

Com 11 faixas divididas em pouco menos de 40 minutos, 2 é, em uma palavra, pesado. Pesado nas bases graves e produzidas alguns níveis acima do convencional, pesado nas letras hardcore, pesado como deve ser um disco de rap… (Leia mais)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s