Gordons – Future Shock / The Gordons / Volume 2 (1980 / 1981 / 1984)

 

O Gordons existiu por pouco tempo, e em sua breve e explosiva existência foi o lado mais obscuro, caótico e barulhento da prolífica cena musical independente neozelandesa do começo dos anos 80 encapsulada pela Flying Nun Records.

Surgiram na cidade de Christchurch em 1980 e cinco anos depois implodiriam para depois renascerem como Bailter Space. Mas isso é papo pra outro dia, hoje a conversa é sobre o começo dessa história de distorções, quando John Halvorsen, Alister Parker e Brent McLachlan de juntaram para entortar ainda mais o já torto pós-punk de gente como Wire, Fall e Alternative TV – pra ficar em três contemporâneos – e se tornar, numa comparação rasteira, o equivalente kiwi ao Sonic Youth.

Future shock, primeiro registro do trio, foi lançado no ano de sua formação e já mostra o quão intensos e barulhentos eram os caras. “Adults and children”, última das 3 faixas do EP, ganhou um clipe de estética simples e crua que captura perfeitamente o ‘jeito Gordons’ (risos) de fazer música: uma cozinha potente e sem firulas, uma guitarra que de repente se torna um esmeril. Fim.

O primeiro e homônimo disco não tardou a vir ao mundo, também – claro – via Flying Nun. The Gordons saiu em 81 e abre com a emblemática e dissonante “Spik and span”, um pequeno clássico perdido que no imaginário deste editor ocupa lugar de destaque na história do rock independente universal, ao lado de, entre outras, “That’s when I reach for my revolver” do Mission of Burma e “Silly girl” do Television Personalities. Fechando o pacote temos “Laughing now”, um pesadelo elétrico, lento e minimalista, carregado de barulho corrosivo.

Após um hiato, em 1984 voltariam à carga com Volume 2 e Vince Pinker assumindo o lugar de Parker nos vocais gordonianos. O disco – que oficialmente nunca viu a luz do dia – não é de todo ruim, mas nem de longe lembra o Gordons furioso de “Future shock” ou experimental de “Right on time”. Era o final (desnecessário?) de uma banda volátil e altamente explosiva, que com apenas dez canções gravadas em dois anos explodiu como uma supernova e cravou seu nome na história da música subterrânea, onde permanece até hoje. Descubra. Ou redescubra.

Essencial!

 

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s