Portishead – Dummy (1994)

 

O que dizer de Dummy, disco de estreia do Portishead? Que é brilhante? Que é perfeito? Que é seminal? Que é inovador? Que é impossível ouvi-lo e não se apaixonar perdidamente por ele? Que é uma das colunas sobre a qual foi construído o trip-hop? Ora bolas, estamos em 2014, o álbum está prestes a completar 20 anos e todos sabem de tudo isso. Ou deveriam saber.

Afinal Dummy ganhou o Mercury Music Prize em 95, já vendeu milhões de cópias mundo afora, e, porra, precisa mesmo continuar? Aperte o play, feche os olhos e se deixe levar, porque como dizem na quebrada, o bagulho é louco…

 

 

Uma das coisas mais bacanas que o Portishead fez em Dummy foi unir EXATAMENTE o que seu núcleo – Beth Gibbons, Geoff Barrow e Adrian Utley – tinha de melhor antes de a banda se formar. Gibbons era cantora de pubs breacos, Barrow produtor apaixonado por hip-hop, samples e beats (teria inclusive trabalhado com Massive Attack e Tricky) e Utley guitarrista de bandas de jazz. Aos meus ouvidos, é exatamente assim que soa o disco.

Enfim, precisa falar algo mais sobre um álbum que abre com “Mysterons” e fecha com “Glory box”? Se tiver alguma coisa a acrescentar, manda aí que a gente publica. Ou não.

Essencial!

Anúncios

Um comentário sobre “Portishead – Dummy (1994)

  1. Pingback: Portishead – Portishead (1997) | PEQUENOS CLÁSSICOS PERDIDOS

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s