Bob Mould – Beauty & Ruin (2014)

Sou suspeito para falar de Bob Mould. O ex-Hüsker Dü, ex-Sugar e hoje senhor com 54 anos de idade continua rolando as pedras como poucos sujeitos com menos da metade de sua estrada o fazem. Pra mim está na mesma categoria de gente como o Superchunk, capaz de fazer pogar até o tiozão mais pançudo.

Dois anos após debutar na Merge com Silver age, Mould retorna às prateleiras com Beauty & ruin, lançado em junho último também pelo selo da carolina do Norte.

O disco traz 12 faixas – mais uma bônus – divididas em pouco mais de 38 minutos, ou seja, nenhuma delas é longa demais. “Low season”, que abre o álbum, é a mais longa (e lenta), com 4 minutos; na sequência, “Little glass pill” acelera Beauty & ruin trazendo à memória o Bob Mould de 30 anos atrás. Esse punch – temperado com os ingredientes pop do Sugar – norteia grande parte do disco, que mesmo em seus momentos mais tranquilos me soa, na falta de uma palavra melhor, tenso.

Só pra constar e por fim a este texto, a banda que acompanha Mould no álbum é a mesma que veio com ele ao Brasil: Jason Narducy (Split Single) no baixo e Jon Wurster (Superchunk) na bateria. Agora chega de palavras e vamos ao que realmente nos move. Aperte o play.

Altamente recomendado!

Anúncios

2 comentários sobre “Bob Mould – Beauty & Ruin (2014)

  1. Pingback: Vídeo: Bob Mould – Voices in My Head/The End Of Things (2016) | PEQUENOS CLÁSSICOS PERDIDOS

  2. Pingback: Bob Mould – Patch The Sky (2016) | PEQUENOS CLÁSSICOS PERDIDOS

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s