Pink Floyd – The Piper At The Gates Of Dawn (1967)

R-2415411-1318552226.jpeg

 

Nem Dark side of the moon, nem The wall, nem qualquer outro disco do Pink Floyd importa. Ok, eles têm grande importância musical, histórica e a puta que o pariu mas o que importa verdadeiramente na discografia da banda londrina é The piper at the gates of dawn, seu primeiro álbum e único registro com o chapeleiro louco Syd Barrett.

Óbvio que essa é uma questão pessoal, mas esse é a razão decisiva pra qualquer escolha, não é? O fato é que Pipers saiu há exatos 50 anos atrás, em 05 de agosto de 67, e dentre todos as estrelas que brilharam carregadas de LSD no mesmo ano (pense em discos de Beatles, Hendrix, Jefferson Airplane, Doors, 13th Floor Elevators e uma caralhada de outros artistas), ele é o que leva a ideia de psicodelia ao nível mais alto.

Duvida? Não vou citar razões técnicas, apenas experimente colocá-lo para tocar no momento exato em que aquele arrepio percorre a espinha dorsal; “Astronomy domine” vai abrir seus sentidos, e a cada faixa do álbum sua consciência vai se expandindo, suas pupilas se dilatando e seus miolos derretendo. Ao final dos 42 minutos nada mais será como antes. E isso é conhecimento de causa, acreditem.

Mas palavras não explicam sensações. Afinal, ‘That cat’s something I can’t explain…’

 

 

Faixas:

Astronomy Domine
Lucifer Sam
Matilda Mother
Flaming
Pow R. Toc H.
Take Up Thy Stethoscope and Walk
Interstellar Overdrive
The Gnome
Chapter 24
The Scarecrow
Bike

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s