Irmão Victor – Cronópio (2018)

  Faz um tempo que descobri, aleatoriamente, o trabalho insólito do Irmão Victor, pseudônimo do gaúcho Marco Benvegnú. Estava escutando alguma coisa no Bandcamp, não me lembro exatamente o que, e apareceu como sugestão um disco chamado Passos simples para transformar gelatina em um monstro e, porra, não dava pra passar uma parada com esse…

Mazzy Star – Still (2018)

  Na metade do ano passado, quando o Mazzy Star estava pra lançar este EP chamado Still, me lembro de ter tocado sua primeira faixa, “Quiet, the winter harbour” na versão radiofônica do Pequenos Clássicos Perdidos. Mas depois, atropelado como sempre, perdi o fio da meada e me esqueci completamente do disquinho. Bem, como dizem…

Mudhoney – Digital Garbage (2018)

  Assim como acontece com o Superchunk, o tempo parece pouco ou nada interferir na música do Mudhoney. Nada de surfar ondas passageiras, de colar em modismos, nada disso. Mark Arm e cia. seguem inabaláveis em seu universo garageiro, e se acrescentaram algo à velha fórmula para a concepção de Digital garbage, seu último disco…

Nine Inch Nails – Bad Witch (2018)

  Terceira peça da trilogia político/existencialista/qualquer coisa pensada por Trent Reznor e Atticus Ross, Bad witch conclui o trabalho iniciado em 2016 com Not the actual events e seguido por Add violence no ano seguinte. Conceitualmente, o primeiro EP da série abordava auto-reflexão e auto-destruição; o segundo buscava respostas para um mundo fodido e este,…

A Place To Bury Strangers – Pinned (2018)

  Das bandas mais foda dos últimos sei lá quantos anos, o A Place To Bury Strangers não cessa de se reinventar dentro de seu universo caótico, sombrio e barulhento. Se em Transfixiation (de 2015) a banda do Brooklyn se aproximou de algo eletrônico/industrial e construiu uma massa sonora devastadoramente alta, em Pinned – último…

Shame – Songs Of Praise (2018)

Seguindo com a série de bons discos lançados durante 2018, hoje colocamos na roda a estreia dos moleques londrinos Shame, Songs of praise, que saiu via Dead Oceans há quase exatamente um ano. Pra começar, caso você desconheça o álbum mas tenha lido algo sobre ele, esqueça as comparações com o Fall e etc. Claro,…

IDLES – Joy As An Act Of Resistance (2018)

  Começando hoje a série ‘discos fodões que não entraram em nossa lista de melhores de 2018’ colocamos na roda o segundo álbum do quinteto inglês IDLES, o sensacional Joy as an act of resistance. Lançado em agosto último, este trabalho pouco ou nada difere do também explosivo BRUTALISM, debute deles que saiu um ano…

Bauhaus – The Bela Session (2018)

  No início de 2019 a pedra fundamental do goticismo chega aos 40 anos, e em comemoração a essas quatro décadas de “Bela Lugosi’s dead” o Bauhaus resolveu reprensar o single em vinil e junto ao clássico das trevas dar aos fãs também mais três faixas inéditas. The Bela session saiu no último dia 23…

Teto Preto – Pedra Preta (2018)

  Dois anos após o EP Gasolina, o combo Teto Preto tirou do forno no último dia 08 de novembro seu primeiro disco cheio, o incendiário Pedra preta. Contando agora com a presença do produtor Sávio de Queiroz, o grupo – que surgiu como braço musical da festa Mamba Negra – segue pela mesma trilha…

Princess Chelsea – The Loneliest Girl (2018)

  Princess Chelsea é a alcunha da neo-zelandesa Chelsea Nikkel, um dos vários nomes bacanas da interessante nova cena musical deste pequeno país com cara de ilha, mais especificamente da cidade de Auckland. Parte do cast da Lil’ Chief Records do igualmente bacana e interessante Jonathan Bree, a exótica princesa tirou do forno em setembro…

Low – Double Negative (2018)

  2018 marca os 25 anos de carreira do casal Mimi Parker e Alan Spearhawk sob o nome Low e a chegada de seu décimo-segundo disco, Double negative. Numa ‘linha do tempo natural’, poderia-se esperar do álbum um apanhado do que eles fizeram neste quarto de século, se não um ‘best of’, algo do tipo,…

Cloud Nothings – Last Building Burning (2018)

  ‘Estou obcecado com a ideia de energia neste momento’. Baldi, Dylan. 2018. Nem precisava dizer, querido. Pra sacar o que você queria em Last building burning, o recém lançado álbum do seu Cloud Nothings, basta apertar o play em “On a edge” que suas intenções ficam automaticamente claras. O fato de ter se internado…

Tape Waves – Distant Light (2018)

  Há dois anos quase exatos eu escrevi aqui um pequeno texto sobre como, às vezes, temos a necessidade de um disco/música para determinado momento mas não sabemos exatamente o que precisamos. À ocasião, a bola da vez foi Here to fade, o delicioso penúltimo álbum da dupla Tape Waves. E hoje, 24 meses e…