Mazzy Star – Still (2018)

  Na metade do ano passado, quando o Mazzy Star estava pra lançar este EP chamado Still, me lembro de ter tocado sua primeira faixa, “Quiet, the winter harbour” na versão radiofônica do Pequenos Clássicos Perdidos. Mas depois, atropelado como sempre, perdi o fio da meada e me esqueci completamente do disquinho. Bem, como dizem…

Mudhoney – Digital Garbage (2018)

  Assim como acontece com o Superchunk, o tempo parece pouco ou nada interferir na música do Mudhoney. Nada de surfar ondas passageiras, de colar em modismos, nada disso. Mark Arm e cia. seguem inabaláveis em seu universo garageiro, e se acrescentaram algo à velha fórmula para a concepção de Digital garbage, seu último disco…

Nine Inch Nails – Bad Witch (2018)

  Terceira peça da trilogia político/existencialista/qualquer coisa pensada por Trent Reznor e Atticus Ross, Bad witch conclui o trabalho iniciado em 2016 com Not the actual events e seguido por Add violence no ano seguinte. Conceitualmente, o primeiro EP da série abordava auto-reflexão e auto-destruição; o segundo buscava respostas para um mundo fodido e este,…

A Place To Bury Strangers – Pinned (2018)

  Das bandas mais foda dos últimos sei lá quantos anos, o A Place To Bury Strangers não cessa de se reinventar dentro de seu universo caótico, sombrio e barulhento. Se em Transfixiation (de 2015) a banda do Brooklyn se aproximou de algo eletrônico/industrial e construiu uma massa sonora devastadoramente alta, em Pinned – último…

Shame – Songs Of Praise (2018)

Seguindo com a série de bons discos lançados durante 2018, hoje colocamos na roda a estreia dos moleques londrinos Shame, Songs of praise, que saiu via Dead Oceans há quase exatamente um ano. Pra começar, caso você desconheça o álbum mas tenha lido algo sobre ele, esqueça as comparações com o Fall e etc. Claro,…