Tortoise – Tortoise (1994)

Quando leio sobre pós rock pelas redes sociais ele invariavelmente está associado a algumas variações lentas do metal, a algo chamado por aí de drone, enfim, a qualquer coisa arrastada, barulhenta e de preferência sombria.

Mas quando surgiu, ou ao menos quando foi cunhado o termo, as coisas não eram bem assim. Pós rock era por definição o rock misturado a outros ritmos que quebrassem sua estrutura molecular básica (fossem esses ritmos o jazz, o dub, o funk ou de tudo isso junto) e com elementos – e instrumentos – incomuns ao rock ‘quadradinho’. Esse é o caso do primeiro e homônimo álbum do Tortoise.

Aqui nada é tão virtuoso e matemático que possa ser chamado de progressivo, nem tão livre que possa ser chamado de free jazz. Esse caminho do meio percorrido pelo então quinteto de Chicago é – pra mim – uma das cabeças dessa hidra chamada pós rock.

Outras duas são o preferidíssimo da casa Stereolab e o (outrora) tempestuoso Mogwai, provavelmente um dos responsáveis pelo andamento que esse tal de pós rock tomou. Ou pelos fãs que cultivou.

Voltem ao Tortoise, crianças.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s