Pavement – Crooked Rain, Crooked Rain (1994)

Algumas bandas passam toda a carreira fazendo do feijão com arroz seu prato principal; algumas outras começam com o trivial para depois adicionarem algo novo a sua receita; outras já servem como entrada pratos complexos e vão complicando ainda mais seus menus; e há ainda aquelas que desde o início e a cada novo prato se reinventam, às vezes causando estranheza e não raramente surpreendendo os esfomeados fãs de música. Este é o caso do Pavement.

De Slanted & Enchanted (o primeiro disco, de 1992) a Terror Twilight (o último de estúdio, de 1999), a banda da Califórnia – que se apresentou pela primeira vez no Brasil em 2010 – se recriou várias vezes, e em 20 anos e 5 álbuns foi de queridinha do undergound a queridinha – ou quase – do grande público. E a curva mais acentuada dessa estrada foi logo do já citado primeiro disco para o segundo, Crooked Rain, Crooked Rain.

Se Slanted & Enchanted marcou o Pavement como um dos monstros da hoje em voga onda lo-fi, trazendo para os estúdios um jeito particular, caseiro – e por isso não muito profissional – de gravação, no qual mesas de 4 canais são a regra e não a exceção e barulhos e experimentações são muito bem vindos; Crooked Rain, Crooked Rain passou ferro sobre a sonoridade da banda, deixando-a sem vincos.

Claro, não dá para esperar que algum disco do Pavement soe como os Beatles em 64, mas as estruturas tortas, quebradas e difíceis até para os indies mais xiitas cederam espaço para melodias mais acessíveis – tanto que o álbum teve alguns ‘quase-hits’ e vendeu, até 2007, 500.000 cópias.

Ok, a voz de Stephen Malkmus não mudou em nada: continua preguiçosa e um tanto desleixada e esteticamente tudo continua igual. Mas a entrada do baixista Mark Ibold (hoje também ex-Sonic Youth), do percusionista Bob Nastanovich e a substituição do antigo batera (o ex-hippie Gary Young) por Steve West renovou os ares do Pavement, e tirou a banda de seu casulo lo-fi para mostrá-la ao mundo.

“Elevate Me Later” abre com um belo e ensolarado arranjo para guitarra e seus backing vocals são uma grata surpresa, mas é a quarta faixa de Crooked Rain, Crooked Rain que por pouco não torna o Pavement uma banda famosa: “Cut Your Hair”, com letra sarcástica, vídeo engraçado (com alta rotação na MTV Brasil à época) e uma pegada pop levou o grupo a muitos lares e coleção de discos.

Outras duas músicas do álbum que merecem destaque no quesito pop são “Gold Soundz”, que repete a arquitetura arredondada de “Cut Your Hair”, sem experimentações complicadas nem excessos pretensiosos e “Range Life” – supostamente uma críitica aos Smashing Pumpkins – que se lançada alguns anos mais tarde seria facilmente rotulada como alt country.

Já “5-4 = Unity” é a cara do Pavement em seus momentos difíceis, mas diferente. Com estrutura jazzística e direito a um piano, tem na guitarra pouco usual de Scott Kannberg mais um doce escondido. Crooked Rain, Crooked Rain foi um ponto de ruptura na carreira do Pavement, e isso não se discute.

À partir dele a banda se tornou um tipo de entidade indie, um anti-herói despido de uniforme e sem super poderes que se recusou a salvar o rock alternativo ou ser seu mártir. Se era isso que os fãs radicais da banda queriam, azar o deles. E sorte a nossa.

Essencial!

Anúncios

Um comentário sobre “Pavement – Crooked Rain, Crooked Rain (1994)

  1. Pingback: Pavement – Slanted And Enchanted (1992) | PEQUENOS CLÁSSICOS PERDIDOS

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s