Blur – The Best Of Blur (2000)

600.jpeg

 

É raro uma coletânea pintar em nossas páginas, pelo simples motivo de que também raramente uma delas consegue capturar as melhores canções de um artista (e não as mais vendáveis). Mas hoje abrimos uma execção, já que neste caso as coisas funcionam exatamente como deveriam.

The best of Blur, lançado em 2000 via Virgin/Food, condensa em 18 faixas tudo que a banda britânica fez de melhor e mais importante durante os anos em que estiveram realmente em atividade.

 

 

Do começo dos anos 90 até seu final, Damon Albarn, Graham Coxon, Alex James e Dave Rowntree lançaram ótimos álbuns enquanto se estapearam com os irmãos Gallagher pelo posto de grande banda inglesa. Mas que me perdoem os fãs do Oasis, musicalmente o Blur os deixava comendo (ou cheirando) poeira.

Cada um desses discos do Blur lançados de 91 a 99 guardava pequenos presentes aos que não torciam o nariz para a sonoridade que em muito destoava da onda grunge que do Nirvana em diante varreu o mundo.

 

 

Eles não andavam com camisas xadrez e calças rasgadas, nem tinham punk e metal como referências básicas. O lance do Blur era outro, e sua música reflete tanto outros grupos ingleses (Beatles, Kinks, The Jam, etc) quanto artistas mais complexos (Bowie, Burt Bacharach). Junte a isso a cultura psicodélica/clubber, doses altas de drogas e álcool, momentos de romantismo exacerbado e você tem a fórmula da banda.

E The best of Blur traz exatamente essa fórmula: “Parklife”, “Girls and boys”, “To the end”, “The universal”, “Coffee and tv”, “Song 2”, etc, etc, etc. Das dores de cotovelo de Albarn às guitarras experimentais de Coxon, dos flertes com a dance music ao pop mais assobiável da década, do requinte à distorção, está tudo nessa coletânea.

 

 

Um verdadeiro alento para fãs da banda, e uma ótima porta de entrada para os não-iniciados em Blur. Essencial para entender o rock britânico da época e os caminhos que ele tomou dali em diante.

Recomendado!

Anúncios

2 comentários sobre “Blur – The Best Of Blur (2000)

  1. Pingback: Dr. Dog – Be The Void (2012) « Pequenos Clássicos Perdidos

  2. Pingback: Said The Whale – Little Mountain (2012) « Pequenos Clássicos Perdidos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s