Pelican City – Rhode Islands (2000)

 

Todo mundo conhece Danger Mouse. Músico, DJ e produtor fodão; metade do Gnarls Barkley e do Broken Bells, trabalhou com figuras como Beck, Gorillaz, Rapture, Sparklehorse, Black Keys (entre muitos outros) e misturou Beatles e Jay-Z no Grey album.

O que nem todo mundo conhece é sua carreira antes disso tudo.Ok, não dá pra chamar propriamente de carreira, mas enquanto era estudante na Universidade Emory, em Atlanta, o ilustre Zé Ninguém Brian Joseph Burton já dava seus pulos e meio na surdina produzia músicas preguiçosas e instrumentais, que em muitas situações me serviram como trilha sonora para momentos enfumaçados. Nessa época o hoje famoso Danger Mouse atendia sob a alcunha Pelican City.

Rhode islands, que você ouve por aqui agora, é o segundo disco cheio que Burton gravou e lançou (sempre de forma independente) com esse pseudônimo. O biscoito é recheado de samples e todo construído com bases eletrônicas, mas também apresenta as habilidades do então jovem pelicano como músico – vide os arranjos de guitarra e as linhas de baixo.

Não sei bem se dá pra rotular como trip-hop, talvez mais trip que hop, já que indubitavelmente as dez faixas do disco são uma baita viagem. Mas independente de gênero, Rhode islands é altamente recomendado pra dar aquela aliviada nas tensões da sempre estressante vida (pós) moderna. E, óbvio, pra sacar como era Danger Mouse antes de ser Danger Mouse.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s