Happy Mondays – Pills N’ Thrills And Bellyaches (1990)

Se você pesquisar Happy Mondays pela rede invariavelmente vai encontrar referências a drogas. Porque em primeiro lugar o termo é uma gíria para a ressaca do ecstasy, aquela sensação que, bem, só quem conhece sabe realmente como é; e segundo, é o nome de uma das bandas mais associadas ao uso de drogas de todos os tempos.

Os Mondays – como a maioria de seus conterrâneos e contemporâneos – surgiram muito antes do Madchester vir à tona e tornar a cidade do norte inglês a meca musical do planeta. Ainda no início do 80’s os irmãos Shaun e Paul Ryder e os parceiros Mark “Moose” Day, Paul Davis e Gary Whelan já estavam na ativa, muito provavelmente perturbando as boas famílias inglesas. Alguns anos depois entraram em cena o impagável Bez e a cantora Rowetta Satchell, e em 1990 o time estava completo para dar ao mundo o que o mundo precisava: pílulas, arrepios e dores de barriga.

Se Squirrel and G-Man Twenty Four Hour Party People Plastic Face Carnt Smile (White Out), produzido por John Cale e lançado em 87, e Bummed, produzido pelo genial e insano Martin Hannett e lançado em 88 já davam pistas sobre quem eram aqueles moleques chapados, foi em Pills ‘n’ Thrills and Bellyaches que os encrenqueiros de Manchester encontraram – e depois perderam, claro – a fórmula da felicidade sem fim.

Lançado há 26 anos, Pills foi produzido por Paul Oakenfold e Steve Osborne e graças a esses dois os Mondays puderam expor sua verve mais híbrida; ali o cruzamento genético entre rock e dance music gerava algo incrivelmente orgânico e sacolejante, com a malemolência (preguiça, na real) dos vocais de Shaun Ryder servindo como o creme de MDMA na cobertura desse space cake.

Dali em diante o caldo entornou várias vezes, os malucos ainda permaneceram em cena por alguns anos (tocaram no Brasil em 1991), mas na real estavam pouco se fodendo para a própria importância na música, queriam mais curtir a brisa e tocar o terror. Enquanto muitos comedores de ecstasy pregavam ‘peace, love, unity and respect’, Ryder, Bez e cia. estavam mais interessados em todo tipo de comportamento ‘socialmente inaceitável’, e das pastilhas e baseados iam sem pensar para o crack e as tretas.

No filme A Festa Nunca Termina é possível ter uma ideia de como eram os caras, de como chegaram a Pills and thrills…, de como foram fundamentais para a música e para a falência da Factory Records (Tony Wilson era o próprio Buda, só digo isso).

E se Manchester durante um período da história se tornou o centro do universo e passou a ser chamada de Madchester, muito se deve aos Mondays. Principalmente o ‘mad’ que nomeou a cidade e a cena.

Essencial!

Faixas:

Kinky Afro
Gods Cop
Donovan
Grandbags Funeral
Dennis And Lois
Bob’sYer Uncle
Step On
Holiday
Harmony

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s