Matthew Dear – Black City (2010)

O inquieto, estranho e irrepreensível Matthew Dear lançou em 2007 o disco Asa breed. Ali o produtor já dava mostras de que o minimal techno (ou o microhouse, que seja) já não comportava mais suas ideias sobre a música – eletrônica ou orgânica.

Se o gênero se esgotou ou não, isso fica para uma próxima discussão. O lance é que Black city, novo álbum do texano (saiu em agosto pelo selo Ghostly, mesmo selo de Gold Panda) extrapola as barreiras das pistas de dança, vislumbrando novos e diferentes horizontes.

Há faixas dançantes, sim. Tortas e meio disfuncionais, é verdade, mas dançantes (“Little people (black city)” e “Soil to seed”, ambas com sangue disco nas veias). Mas a orientação geral do álbum não é, definitivamente, a pista.

Há em Black city influências de dub, de David Bowie, do segundo verão do amor, dos Talking Heads, do new beat belga… e no meio de tantas e distintas referências, Matthew Dear é o olho do furacão. Dono de uma criatividade ímpar e de muitos recursos para pôr em prática essa criatividade, o cara mais uma vez vai além do comum.

Altamente recomendado!

Anúncios

3 comentários sobre “Matthew Dear – Black City (2010)

  1. Pingback: Joakim – Nothing Gold (2011) « Pequenos Clássicos Perdidos

  2. Pingback: Lindstrøm – Six Cups Of Rebel (2012) « Pequenos Clássicos Perdidos

  3. Pingback: Metthew Dear – Beams (2012) « PEQUENOS CLÁSSICOS PERDIDOS

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s