Mudhoney – Digital Garbage (2018)

  Assim como acontece com o Superchunk, o tempo parece pouco ou nada interferir na música do Mudhoney. Nada de surfar ondas passageiras, de colar em modismos, nada disso. Mark Arm e cia. seguem inabaláveis em seu universo garageiro, e se acrescentaram algo à velha fórmula para a concepção de Digital garbage, seu último disco…

A Place To Bury Strangers – Pinned (2018)

  Das bandas mais foda dos últimos sei lá quantos anos, o A Place To Bury Strangers não cessa de se reinventar dentro de seu universo caótico, sombrio e barulhento. Se em Transfixiation (de 2015) a banda do Brooklyn se aproximou de algo eletrônico/industrial e construiu uma massa sonora devastadoramente alta, em Pinned – último…

Shame – Songs Of Praise (2018)

Seguindo com a série de bons discos lançados durante 2018, hoje colocamos na roda a estreia dos moleques londrinos Shame, Songs of praise, que saiu via Dead Oceans há quase exatamente um ano. Pra começar, caso você desconheça o álbum mas tenha lido algo sobre ele, esqueça as comparações com o Fall e etc. Claro,…

IDLES – Joy As An Act Of Resistance (2018)

  Começando hoje a série ‘discos fodões que não entraram em nossa lista de melhores de 2018’ colocamos na roda o segundo álbum do quinteto inglês IDLES, o sensacional Joy as an act of resistance. Lançado em agosto último, este trabalho pouco ou nada difere do também explosivo BRUTALISM, debute deles que saiu um ano…

Princess Chelsea – The Loneliest Girl (2018)

  Princess Chelsea é a alcunha da neo-zelandesa Chelsea Nikkel, um dos vários nomes bacanas da interessante nova cena musical deste pequeno país com cara de ilha, mais especificamente da cidade de Auckland. Parte do cast da Lil’ Chief Records do igualmente bacana e interessante Jonathan Bree, a exótica princesa tirou do forno em setembro…