Royal Trux – Radio Video EP (2000)

  Eu ia postar aqui hoje o primeiro disco do Royal Trux, de 88; depois mudei de ideia e decidi publicar algo sobre o último álbum deles, do ano passado; aí pensei ‘porra, mas meu preferido é o Accelerator‘. Só que no fim das contas me lembrei que duas das três músicas que mais gosto…

Wipers – Is This Real? (1980)

  Esse papo de ‘tal disco completa tantos anos’ às vezes enche o saco, mas é impossível deixar alguns aniversários passarem em branco. É o caso de Is this real?, estreia de Greg Sage e seu seminal Wipers, lançado em janeiro de 1980. Mesmo não tão louvado – ou falado – quanto os dois álbuns…

Grant Lee Buffalo – Fuzzy (1993)

  Em algum ponto inexato ali pela metade da primeira década dos anos 2000 eu estava completamente quebrado, física, mental e espiritualmente, afundado até o último fio de cabelo em crises de ansiedade, depressão, drogas, álcool e com uma vontade louca de desaparecer. Entrar num ônibus e pegar a estrada para algum lugar – qualquer…

Th’ Faith Healers – Lido (1992)

  O Faith Healers é a banda desconhecida-mas-cultuada mais sensacional deste plano que habitamos. Nascido na Inglaterra, o quarteto durou pouco e lançou apenas dois discos, e se na época (na época?) não coube na cena indie britânica, hoje seus álbuns são considerados por quem os conhece como clássicos da barulheira. Lido, o primeiro deles…

Beat Happening – Black Candy (1989)

  Em algum momento de 1989 o Beat Happening cometia seu terceiro disco, gravado e finalizado no mesmo ano novamente com uma mão de Steve Fisk na produção. Black candy é a voz nicotinada de Calvin Johnson dividindo (pouco) o espaço com a doçura de Hather Lewis, fazendo sua própria trilha sonora para filmes B.…

L’Épée – Diabolique (2019)

  Se numa situação hipotética juntássemos numa mesma banda o genial e instável Anton Newcombe, o casal francês Limiñana (Marie e Lionel) e a deslumbrante atriz Emmanuelle Seigner, o que aconteceria? Em primeiro lugar, esqueça a hipótese e REALIZE O FATO. Os quatro outsiders (seja na música, no cinema e no modo de viver e…

Pin Ups – Long Time No See (2019)

  Cara, o Pin Ups lançou um disco. O PIN UPS LANÇOU UM DISCO EM 2019. Se alguém me perguntasse sobre a possibilidade disso acontecer antes de 2015 eu provavelmente daria risada, afinal o último lançamento oficial deles foi em 1999. Mas após a reunião para o show de despedida (no citado 2015) uma luzinha…

Juliana Hatfield – Weird (2019)

  Todas as cantoras ou bandas indie femininas surgidas nos últimos anos deveriam prestar tributo à hoje jovem senhora Juliana Hatfield. Na cena desde os anos 80 – primeiro com o Blake Babies, depois como Juliana Hatfield Three e finalmente só Juliana Hatfield – ela teve um breve momento de ‘quase sucesso’ na primeira metade…

Ride – This Is Not A Safe Place (2019)

  Em 2017 o Ride voltou ao mercado da música com Weather diaries, disco precioso que, por puro preconceito, levei um baita tempo para (me dar ao prazer de) escutar. Quando começaram a surgir fragmentos de seu sucessor, me atentei e assim que ele veio ao mundo corri para ouví-lo. This is not a safe…

Catherine Wheel – Ferment (1992)

  Hoje de manhã um amigo me marcou numa publicação na rede social azul com o vídeo de “Black metallic”, do Catherine Wheel, e mais tarde outro amigo publicou na mesma rede social uma foto de Ferment, primeiro disco deles que completa 27 anos neste domingo brilhante e frio. Foram dois estalos nas memórias afetivas…

Superchunk – Acoustic Foolish (2019)

  Em abril último, Foolish, quarto disco dos heróis do rock independente – e preferidíssimos da casa – Superchunk chegou aos 25 anos e eu me sinto velho pra caralho como forma de comemorar a data a banda de Chapel Hill decidiu regravá-lo na íntegra em versão desplugada. O álbum que, segundo o próprio Mac,…