Madonna – Bedtime Stories (1994)

Por Vinil (Trovas de Vinil)

“I’m a role model for those who dare to be different. For those who dare to take a stand in their life and have an opinion.”

(Madonna)

No ano de 1994, Madonna vivenciava uma das maiores encruzilhadas de sua carreira até então. A Pop Star precisava se reinventar urgentemente para que pudesse continuar no topo das paradas de sucesso e, principalmente, sobreviver aos ciclos velozes e (às vezes) furiosos da cena musical dos anos 1990. Like A Virgin já tinha completado uma década de explosão, enquanto o combo bombástico composto pelo álbum Erotica, o livro Sex, o filme Body of Evidence e a turnê The Girlie Show colocaram Madge no topo da lista das celebridades mais controversas e discutidas da mídia do planeta entre 1992 e 1994.

Em suma: Madonna era persona non-grata número 1 em muitas famílias tradicionais do mundo inteiro por não ter tido a menor vergonha em falar de sexo (em sua plenitude) de maneira extremamente despojada e depravada para o mundo. Seus fãs eram considerados admiradores de uma “vagabunda sem classe” e blá blá blá… Bedtime Stories foi o contra-ataque de Madge aos seus inquisidores de plantão. A começar pelas fotos do próprio CD, que revela uma Madonna mais sóbria, sensual e elegante em um belíssimo ensaio fotográfico de Patrick Demarchelier, renomado fotógrafo de Moda. As imagens não lembram a mesma Pop Star que estava de chicotes e couro em punho meses antes em absolutamente nada.

Tal qual seu grande muso inspirador, David Bowie, Madonna também decidiu realizar uma grande transformação em seu som: sai da cabine de som o habitual parceiro Shep Pettibone (que já produzira smash hits como “Vogue” e “Erotica”) e entram em cena um quarteto fantástico de produtores que estavam envolvidos com o Pop e o R&B da época. São eles: Nellee Hooper, Dallas Austin, Dave “Jam” Hall e Babyface. Por conta disto, a música de Madonna nunca soou tão negra quanto na época de Bedtime Stories. Samples de Stevie Wonder, Aaliyah, Herbie Hancock, dentre outros permeiam as batidas deste trabalho. As letras são mais confessionais e tratam de temas altamente presentes nas canções da Pop Star: amor, ausência, hipocrisia, hedonismo, obsessão…

“Inside of Me”, quinta canção do disco, versa sobre uma presença amorosa que existe apenas no retrato da cama e nas memórias da voz que está cantando. Seria esta pessoa um(a) amigo(a) querido(a), ou a própria mãe de Madonna – morta quando a Pop Star ainda era criança? A produção de Hooper e os vocais sussurrados de Madge resultam em uma faixa repleta de groove e sensualidade, espantando a melancolia e o romantismo óbvio para bem longe.

“Survival”, “Human Nature” e “Love Tried to Welcome Me”, por exemplo, revelam o ressentimento e a (eterna!) culpa cristã de Madonna em relação aos que colocaram sua cabeça a prêmio. Versos como “I’ll never be an angel / I’ll never be a saint, it’s true / I’m too busy in surviving / Whether it’s heaven or hell / I’m gonna be living to tell” (“Survival”), “You punished me for telling you my fantasies / I’m breaking all the rules I didn’t make” (“Human Nature”) ou “I know how to laugh, / but I don’t know happiness / And I must confess, instead of spring, it’s always winter / And my heart has always been a lonely hunter (…)” (“Love Tried to Welcome Me”) revelam toda a angústia que Madonna sentia naquele período – um álbum, um livro e uma turnê que revelaram uma atitude de independência e despudor para falar de tabus em uma era na qual os EUA e o resto do mundo estavam mais conservadores com a cartilha do neoliberalismo e a ascensão das mortes por AIDS, dentre outros problemas lhe renderam um preço altíssimo.

“I’d Rather Be Your Lover”, “Take a Bow” e “Forbidden Love”, produzidas por Dave Hall e Babyface tiveram participações especiais. A primeira delas, por exemplo, chegou a receber a contribuição do rapper Tupac Shakur (que, dizem certas línguas, teve um breve romance com Madonna): como Tupac fora preso na época da finalização de Bedtime Stories, a Warner Bros. Decidiu cortar os versos do artista e substituir o rap pelos improvisos da baixista e cantora Me’Shell N’dgé Ocello, rendendo um resultando tão provocante quanto o original, pois a letra passa a sugerir uma relação lésbica. “Take a Bow” e “Forbidden Love” tiveram a produção e os backing vocals de Babyface (nome verdadeiro de Kenny Edmonds) tiveram bastante popularidade no final da primeira metade dos anos 1990. Se formos pensar nas três das melhores baladas interpretadas por Madonna, “Take a Bow” obrigatoriamente deve constar entre elas.

No grupo das faixas de Bedtime Stories que apontam as transformações mais radicais do som de Madonna estão as faixas 9 e 10 do álbum. “Sanctuary” é marcada por uma batida trip hop hipnótica que flerta com a sonoridade dos álbuns do Massive Attack (grupo com o qual Madge trabalharia pouco depois). “Bedtime Story”, única faixa do disco que não fora composta pela Pop Star”, é uma parceria de Bjork com Nellee Hooper e Marius de Vries: uma mistura intricada de sons eletrônicos com batidas de House, Ambient Music, New Age e Techno.
Devemos fazer uma menção à parte para o videoclipe de “Bedtime Story”: dirigido por Mark Romanek – que já trabalhara com a artista no premiadíssimo “Rain” –, o clipe é repleto de efeitos visuais de última geração lá pelos idos de 1994-1995 e inspirado em pinturas surrealistas e na obra de Frida Kahlo. A apresentação desta canção no Brit Awards na qual Madonna vestia um Versace e um longo aplique nos cabelos, é um dos melhores momentos jamais vistos na história de prêmios de música Pop em todos os tempos.

As duas faixas de Bedtime Stories que deixamos para o fim deste texto são “Don’t Stop” e “Secret”. A primeira faixa trata do tema mais recorrente nas canções de Madonna: o hedonismo que surge nas pistas de dança. Após a passagem de vibrações muito pesadas, Madge propõe um convite muito simples para o seu ouvinte – que ele deixe a música e o ritmo lhe levar para o esplendor do êxtase proporcionado pelo bom e velho groove. Já a segunda faixa, que foi o primeiro hit single de Bedtime Stories, é uma das faixas mais enigmáticas da discografia da Pop Star. Versos como “Happiness lies in your own hand / It took me much too long to understand / How it could be / Until you shared your secret with me” não trazem meras constatações por parte de uma das maiores artistas do século XX, pelo contrário, eles provocam ainda mais perguntas em torno da natureza do segredo que tinha sido compartilhado…

“Secret” era a pá de cal que Madonna lançava em relação ao som que estava desenvolvendo até o início da década de 1990. A voz que canta com um violão folk ao fundo para abrir espaço para uma batida R&B marcante. Pela primeira vez em sua carreira, o som e a imagem da loura que sacudiu o planeta com o discurso lascivo de “Like A Virgin” convergiram para um conjunto mais light, porém não menos denso e provocante.

Bedtime Stories não rendeu o primeiro lugar das paradas para Madonna. No entanto, o disco recebeu reviews bastante favoráveis da crítica especializada. Certamente, é um dos discos mais importantes da obra musical da Rainha do Pop e que, por sua deliciosa mistura de sons e imagens, merece ser resgatado aqui no Pequenos Clássicos Perdidos!

Um comentário sobre “Madonna – Bedtime Stories (1994)

  1. A grande importancia disse album para carreira da Madonna Foi provar que ela soube viver a decada de 90 ainda relevante musicalmente, soube se modernizar, soube se atualizar.
    Como grande fã de David Bowie que soy nao gosto de comparacoes mas quando lembro que Michael Jackson fazia em 95 essa comparacao de Madonna David Bowie tem ate um certo sentido. Michael Jackson nao conseguiu sair dos anos 80 . History parecia um album Velho ja. Era o mesmo e Velho MJ. Ja Bedtime Story era mais uma vez uma Madonna nova e moderna.
    Pena que ela nao encerrou a carreira em 2005. Pois teria uma discografia praticamente sem grandes erros.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s