Bárbara Eugênia @ SESC Vila Mariana (15/03/2011)

Bárbara e banda

Numa noite atipicamente fria de verão paulistano, o palco do SESC Vila Mariana recebeu a carioca Bárbara Eugênia para um show da turnê de seu álbum Journal de BAD, lançado no ano passado.

Acompanhada por uma banda afiada (Junior Boca – que produziu o álbum – na guitarra, Daniel Lima no baixo, Felipe Maia na bateria e o velho conhecido do P.C.P Maurício Fleury – substituindo Dustan Gallas – nos teclados), a cantora fez uma apresentação enxuta, direta ao ponto (até porque o tempo é curto no SESC).

Cada uma das canções foi pontuada por uma simples introdução, e o clima intimista do auditório – lotado, diga-se de passagem – colaborou para que o show seguisse essa mesma linha. Bárbara conversou pouco com a plateia, mas mesmo assim se mostrou simpática, e convenhamos que ouvi-la cantando (e tocando violão/percussão) já é o suficiente.

Voz. E violão.

Ao vivo as canções de Journal de BAD têm uma pegada mais roqueira. A guitarra do ‘maestro’  Junior Boca fala alto, cheia de efeitos, surpreendendo quem esperava uma apresentação mais ‘suave’, e em alguns momentos (“Drop the bombs”, por exemplo) o clima psicodélico enchia o ar).

As côveres do mestre Tom Zé (“Dor e dor”, que está no álbum) e Nancy Sinatra (“These boots are made for walkin'” – um roquezinho dos bons, segundo a própria Bárbara) foram acompanhadas das devidas homenagens, e em ambas ficou claro que a cantora radicada em São Paulo não tem medo de imprimir sua personalidade em ‘músicas dos outros’ – mesmo sendo clássicos.

E apesar de se mostrar um tanto tímida, Bárbara também demonstrou segurança durante todo o show, soltando a voz mesmo quando o barulho parecia dominar a cena. Seus discretos passinhos de dança fizeram parte da noite, que só não foi melhor pelo reduzido tempo da cantora e sua banda sobre o palco.

Mas tudo bem, da próxima vez a gente vai vê-la em algum lugar onde as pessoas assistam o show de pé. E bebendo cerveja.

Um comentário sobre “Bárbara Eugênia @ SESC Vila Mariana (15/03/2011)

  1. 1 – Ela não tem o menor problema em cantar em francês, inglês, esperanto, mandarim. Isso mostra versatilidade, em partes.

    2 – Tempo curto e sem cerveja = pior que o fato de as pessoas estarem sentadas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s