Sleater-Kinney – Dig Me Out (1997)

  Poucos discos me deixam com um sorriso tão grande estampado no rosto quanto Dig me out, terceiro trabalho das sempre prediletas da casa Sleater-Kinney. Mesmo que minha música preferida delas – na verdade uma das canções da minha vida – esteja em The hot rock, de 99, foi com esse álbum de 97 que…

Magnapop – Hot Boxing (1994)

  Magnapop é uma banda da abençoada Athens, na Georgia, que descobri – como tantas e tantas outras – tendo aulas com o Reverendo Massari no mítico Lado B. Há tempos que não ouvia nada deles, até que hoje me deparei com um disco chamado The circle is round, que lançaram no ano passado. Mas…

Pia Fraus – Empty Parks (2020)

  Ao que parece os estonianos Pia Fraus puseram definitivamente um fim no hiato em que a banda esteve de 2009 a 2017 – quando lançaram Field ceremony, seu ‘álbum de retorno’. Isso porque saiu ontem, novamente via Seksound, o novo trabalho do sexteto, chamado Empty parks. Assim como em seu antecessor, aqui o grupo…

April March – Paris In April (1996)

  Elinore Blake nasceu na Califórnia em 1965, mas desde sempre a cabeça da moça esteve na França, ou mais especificamente na música francesa. Ou ainda mais especificamente na música francesa pop da década em que nasceu. Ela aprendeu a língua que tanto amava na escola de enfermagem, depois morou uma temporada na sonhada terra…

Tindersticks – No Treasure But Hope (2019)

  Obviamente No treasure but hope não entrou na lista de melhores discos de 2019 do blogue por uma única razão: não foi escutado. Que outro motivo tiraria um álbum do calibre deste (quase) recém-lançado trabalho dos Tindersticks de nossas escolhas? Gravada em apenas uma semana, esta é a décima primeira obra de Stuart Staples…

Red Zebra – Bastogne (1981)

  O pós-punk é um poço sem fundo: quanto mais você desce e escava, mais bandas aparecem, e o ciclo se torna interminável e extremamente vicioso. Foi numa dessas descidas que descobri o Red Zebra, banda que começou no final dos anos 70 e até hoje (acho que) anda por aí. Após dois singles –…

Beck – Sea Change (2002)

  Esse texto tem início no exato momento em que “Already dead” começa a tocar e seus versos são como um soco no estômago, me tirando o ar e empurrando um monte de lembranças ruins goela abaixo, acompanhadas das outras 11 canções de Sea change, o disco-de-corno-fodido do eterno mutante Beck. Ouvi esse álbum sem…

Royal Trux – Radio Video EP (2000)

  Eu ia postar aqui hoje o primeiro disco do Royal Trux, de 88; depois mudei de ideia e decidi publicar algo sobre o último álbum deles, do ano passado; aí pensei ‘porra, mas meu preferido é o Accelerator‘. Só que no fim das contas me lembrei que duas das três músicas que mais gosto…

Especial: Os Melhores Álbuns de 2019

  Por muitas razões 2019 foi um ano a ser esquecido, mas por outras foi um ano do caralho. Como todos os anos, a bem da verdade. Uma pá de ótimos discos foram lançados, escutamos vários, e milhares de outros não – também como em todos os anos passados. A enxuta lista postada abaixo traz…

Wipers – Is This Real? (1980)

  Esse papo de ‘tal disco completa tantos anos’ às vezes enche o saco, mas é impossível deixar alguns aniversários passarem em branco. É o caso de Is this real?, estreia de Greg Sage e seu seminal Wipers, lançado em janeiro de 1980. Mesmo não tão louvado – ou falado – quanto os dois álbuns…

Syd Barrett – The Madcap Laughs (1970)

    Em 03 de janeiro de 1970, há exatas e distantes cinco décadas, Syd Barrett dava os primeiros de seus poucos passos longe do Pink Floyd, dois anos após ser chutado da banda – que mirava horizontes grandiosos onde não cabiam as loucuras de seu ex-vocalista e guitarrista. Naquele abril de 68, já oficialmente…

Betty Davis – Betty Davis (1973)

  Durante os anos em que esteve em atividade Betty Davis foi um furacão sem precedentes. A menina nascida na Carolina do Norte na metade dos anos 40 se mudou para Nova Iorque aos 16 anos para trabalhar como modelo, mas ao contrário do grosso das parceiras de trabalho, Betty tinha um cérebro fervilhante de…