April March – Paris In April (1996)

  Elinore Blake nasceu na Califórnia em 1965, mas desde sempre a cabeça da moça esteve na França, ou mais especificamente na música francesa. Ou ainda mais especificamente na música francesa pop da década em que nasceu. Ela aprendeu a língua que tanto amava na escola de enfermagem, depois morou uma temporada na sonhada terra…

Tindersticks – No Treasure But Hope (2019)

  Obviamente No treasure but hope não entrou na lista de melhores discos de 2019 do blogue por uma única razão: não foi escutado. Que outro motivo tiraria um álbum do calibre deste (quase) recém-lançado trabalho dos Tindersticks de nossas escolhas? Gravada em apenas uma semana, esta é a décima primeira obra de Stuart Staples…

Red Zebra – Bastogne (1981)

  O pós-punk é um poço sem fundo: quanto mais você desce e escava, mais bandas aparecem, e o ciclo se torna interminável e extremamente vicioso. Foi numa dessas descidas que descobri o Red Zebra, banda que começou no final dos anos 70 e até hoje (acho que) anda por aí. Após dois singles –…

Beck – Sea Change (2002)

  Esse texto tem início no exato momento em que “Already dead” começa a tocar e seus versos são como um soco no estômago, me tirando o ar e empurrando um monte de lembranças ruins goela abaixo, acompanhadas das outras 11 canções de Sea change, o disco-de-corno-fodido do eterno mutante Beck. Ouvi esse álbum sem…

OTO – Anyway (1984)

  Farid Dahlab e Pascal Hubert, ou Le Faf e Le Pasc para os íntimos, formaram o OTO em 1982 em Nancy, na França, após serem demitidos da banda que faziam parte, chamada G-String (foram pegos usando instrumentos para criar suas próprias músicas antes dos ensaios, no melhor esquema Robin Hood). O lance é que…

Royal Trux – Radio Video EP (2000)

  Eu ia postar aqui hoje o primeiro disco do Royal Trux, de 88; depois mudei de ideia e decidi publicar algo sobre o último álbum deles, do ano passado; aí pensei ‘porra, mas meu preferido é o Accelerator‘. Só que no fim das contas me lembrei que duas das três músicas que mais gosto…

Wipers – Is This Real? (1980)

  Esse papo de ‘tal disco completa tantos anos’ às vezes enche o saco, mas é impossível deixar alguns aniversários passarem em branco. É o caso de Is this real?, estreia de Greg Sage e seu seminal Wipers, lançado em janeiro de 1980. Mesmo não tão louvado – ou falado – quanto os dois álbuns…

Magazine – Real Life (1978)

  Howard Devoto nasceu predestinado a deixar seu nome marcado na história da música. O cara estava na organização dos primeiros e míticos shows dos Pistols em Manchester, fundou o a maior banda punk de todos os tempos com o saudoso Pete Shelley, saiu da mesma logo após seu primeiro registro e pouco depois começou…

Grant Lee Buffalo – Fuzzy (1993)

  Em algum ponto inexato ali pela metade da primeira década dos anos 2000 eu estava completamente quebrado, física, mental e espiritualmente, afundado até o último fio de cabelo em crises de ansiedade, depressão, drogas, álcool e com uma vontade louca de desaparecer. Entrar num ônibus e pegar a estrada para algum lugar – qualquer…

The Sound – Jeopardy (1980)

  Ultimamente (ultimamente?) ando desenterrando vários discos mais obscuros ‘da juventude’ pra escutar e, quase de forma invariável, uma pergunta me martela o cérebro: “por que esse álbum não se tornou um clássico?”. Do jangle pop ao noise, do shoegaze à eletrônica, em todos gêneros e sub-gêneros da música há um sem número de grandes…

Th’ Faith Healers – Lido (1992)

  O Faith Healers é a banda desconhecida-mas-cultuada mais sensacional deste plano que habitamos. Nascido na Inglaterra, o quarteto durou pouco e lançou apenas dois discos, e se na época (na época?) não coube na cena indie britânica, hoje seus álbuns são considerados por quem os conhece como clássicos da barulheira. Lido, o primeiro deles…